WhatsApp (19) 99712.3767
contato@edsondepaula.com.br

BLOG do Palestrante
Edson De Paula

Assine nossa newsletter

Feedback CNV: Utilizando a Comunicação Não-Violenta no trabalho

Feedback CNV: Utilizando a Comunicação Não-Violenta no trabalho

Como utilizar a Comunicação Não-Violenta no ambiente de trabalho?

Neste artigo, apresento como melhorar as relações entre líderes e liderados por meio do FEEDBACK CNV – um novo tipo de feedback que é estruturado com os 4 passos da Comunicação Não-Violenta. A CNV tem aplicação prática em diversas áreas da vida, tanto pessoal quanto profissional, como resolução de conflitos no trabalho, melhoria da comunicação dos líderes, das empresas e da construção de um diálogo franco por meio da comunicação assertiva e conexão empática.

O que é Comunicação Não-Violenta?

O psicólogo humanista norte-americano Marshall B. Rosenberg, na década de 1970, desenvolveu o processo da Comunicação Não-Violenta (CNV), que visa uma comunicação mais empática e assertiva para melhorar a qualidade de vida de quem a utiliza e das pessoas ao seu redor. Segundo Marshall, “Toda violência é a manifestação trágica de uma necessidade não atendida” e, sobre esta consideração, todas as possíveis ações são baseadas na tentativa de satisfazer as necessidades humanas e quando estas não são atendidas, incorre a comunicação violenta que pode ser, subsequentemente, seguida por um ato violento. Vale lembrar que nem sempre violência se concretiza em atos, mas, na maioria das vezes, violência pode ser manifestada por um simples olhar ou uma fala agressiva (comunicação violenta).

Quais são os benefícios da Comunicação Não-Violenta no trabalho?

Falhas de comunicação que conduzem à mal-entendidos nos contextos profissionais, comumente conduzem a conflitos por diferenças de posicionamento ou de opinião. A adoção no ambiente de trabalho de estratégias de comunicação baseadas na CNV criam maior consciência no indivíduo de sua responsabilidade pelos atos do sentir, falar e agir. As estratégias de CNV visam substituir atitudes agressivas ou defensivas por conexão empática entre os indivíduos, melhorando o relacionamento interpessoal, a confiança mútua e uma relação mais transparente na qual a comunicação flui melhor, aumentando o engajamento e diminuindo, expressivamente, o estresse ocupacional.

Além disso, a CNV se concentra nos fatores subjacentes ao conflito, como necessidades e sentimentos, disponibilizando um processo passo a passo de como navegar pelo conflito de forma empática e assertiva, sem prejudicar ninguém e abrindo espaço para a manifestação franca e transparente de todas as experiências vividas na situação conflitante, gerando uma forma objetivoa de nomear os fatos antes de pular para os sentimentos. Desse modo, ser capaz de compreender por que um funcionário apresenta sinais visíveis de esgotamento físico ou mental ou ser hábil na gestão de conflitos, permite que os líderes sejam mais empáticos, cultivando a compreensão e promovendo um clima organizacional baseado na confiança.

Por que a Comunicação Não-Violenta é importante para a liderança?

Quando um líder consegue organizar suas ideias e desenvolver uma mensagem focada na observação e na qualidade de atenção, nos seus sentimentos, nas suas necessidades e na solicitação que vai fazer para sua equipe, de forma empática e assertiva, ele consegue um maior comprometimento e, com isso, alcança maior adesão às suas metas com um resultado sustentável, por meio da sua comunicação. Um líder que pratica a CNV no seu ambiente de trabalho, é assertivo e inspira o espírito de equipe, a responsabilidade coletiva pelos resultados e a troca constante de informações entre sua equipe de trabalho, promovendo assim um ambiente em que todos se sintam valorizados e com uma relação de empatia. Por isso, implementar o FEEDBACK CNV agrega valor à empresa, ao líder e à equipe de trabalho, transformando-os além de profissionais, pessoas que se respeitam, se relacionam, se responsabilizam pelos resultados e realizam suas atividades de forma construtiva.

Quais são os princípios da Comunicação Não-Violenta?

Os princípios fundamentais da CNV incluem o não julgamento e a rejeição de formas agressivas em uma conversa, bem como 4 passos estruturados que devem seguidos em um diálogo:

 1) Elaborar os fatos por meio da qualidade de atenção (OBSERVAÇÃO);

 2) Saber definir suas emoções de forma correta (SENTIMENTO);

 3) Saber expressar seus valores ou aquilo que valoriza (NECESSIDADE);

 4) Saber formular um pedido ao outro de forma assertiva SOLICITAÇÃO).

Como dar um feedback utilizando a Comunicação Não-Violenta (Feedback CNV)?

Quer ensinar seus líderes de pessoal como usar a comunicação não violenta para resolver conflitos? A versatilidade destes 4 passos da CNV permite que o modelo seja adaptado para as mais diversas situações do cotidiano, seja no âmbito pessoal ou profissional. Desse modo, praticar a CNV em um feedback pode ser muito assertivo e, ao mesmo tempo, altamente resolutivo para a melhoria da liderança nas organizações. Veja um exemplo de como aplicar um Feedback CNV no ambiente de trabalho:

“Eu observei (1. Observação) que você não salvou os arquivos no final do expediente nos últimos dois dias. Quando você fez isso, eu senti (2. Sentimento) que fiquei irritado pela sua falta de zelo com os procedimentos de segurança da empresa. Espero que compreenda que é necessário manter a segurança (3. Necessidade) deste projeto, pois é algo que valorizo muito. Solicito (4. Solicitação) que você faça agora os backups dos arquivos e procure não se esquecer de fazê-los diariamente. Conte comigo se precisar de mais orientações.”

Conclusão

Nas minhas palestras sobre Comunicação Não-Violenta nas Organizações, costumo inserir exemplos de como aplicar a CNV na cultura corporativa, dar dicas importantes de como melhorar a comunicação empática e assertiva para promover relações mais afetivas e duradouras com pessoas e equipes. Conhecimento é uma questão de aprender, praticar e compartilhar e, para mim, o ponto mais importante da CNV é a liberdade de escolher aquilo que queremos fazer com aquilo que aprendemos: podemos aprender sobre empatia e escolhermos não a praticar, simples assim.

Contudo, quando não praticamos a não-violência devemos estar cientes das consequências advindas dessa escolha, pois de acordo com a lei da reciprocidade já citada neste texto, violência também gera violência na mesma proporção. Muito do que escrevi neste artigo parece óbvio demais, mas como diria Marshall B. Rosenberg, “O óbvio é apenas o resultado de um exercício de arrogância, no qual você acredita que o outro tem obrigação de chegar à mesma conclusão que você”. Então, minha intenção ao escrever não foi a de exercitar minha arrogância, portanto, gostaria muito de ouvir sua opinião sobre CNV e saber se você está praticando-a na sua vida pessoal ou profissional... Por favor, compartilhe no comentário.

O IEDP - Instituto Edson De Paula - tem treinado líderes em todo o Brasil com estratégias diferenciadas para o desenvolvimento de liderança e gestão de pessoas, otimizando a cultura organizacional de empresas nacionais e multinacionais. Se este conteúdo gerou o seu interesse para o assunto e desejar otimizar sua equipe, deixe sua mensagem aqui que entraremos em contato. 

Se você gostou deste artigo, compartilhe e deixe seu comentário. 

 

Deixe seu Comentário

Fale com a gente!